Sobre

fermatac

Esse blog é um contraponto ao outro que já tenho. Aqui, ao contrário de lá, o intuito é tratar de qualquer outro tema, que não o lado sério da vida: meus outros interesses como música, matemática, ciência, tecnologia, esportes e o que aparecer.

O nome veio inspirado, talvez da minha maior paixão, a música, com a fermata, símbolo da notação musical que significa ‘suspensão’. Aqui no Fermata C: a suspensão que quero fazer é justamente no sentido de interrupção, de parar tudo de sério que eu estiver fazendo e comentar alguma coisa nada a ver com nada, mas também a suspensão de deixar no ar (também nos dois sentidos), pois não tenho a pretensão de postar com alguma periodicidade, pois isso contrariaria (isso não está parecendo tempo verbal a ser utilizado no Restaurante do Fim do Universo?) a ideia de criar este espaço.

format

A brincadeira com o nome continua com o “C:”, um trocadilho com o “format c:”, comando do Dos que limpava todo o HD (na época winchester) do seu computador. Essa também é a ideia, por aqui. Embora não aficionado, eu gosto de informática. Comecei cedo a explorar esse mundo pelo MSX do meu irmão. É… Já usei muita coisa velha desse mundo aí.

Além disso Fermata lembra o nome de um grande matemático, Fermat (aquele do “último” teorema). As ciências em geral e, em especial, a matemática, são outras das minhas paixões. Pode ser que pinte algum post relacionado a esse tema.

Não posso negar que a ideia de escolher a letra C (com os dois pontos) também se relaciona à outra paixão: a astronomia (temos uma lua com duas estrelas, que para os místicos ainda podem ser Castor e Pollux, os gêmeos da mitologia e constelação correspondente ao signo das pessoas que nascem em determinado período de junho, como eu – embora eu não me ligue em astrologia). Fora que a própria fermata parece um planetário.

Por fim, como notou a minha esposa quando comentei a ideia do nome, Fermata C:, lembra “Fernando mata charadas”. Não era a ideia inicial, mas gostei dessa sacada. Isso recupera um pouco do meu espírito ‘bagaceira‘ do fim do século passado e início deste. Além disso, o ‘mata’ vem quase como outro trocadilho para o meu sobrenome, sendo seu contrário, embora nada politicamente correto.